Rainforest River Janne Hamalainen/Shutterstock

Conservação de Florestas Tropicais Pluviais e a Geração de Energia Hidrelétrica

Effects of Rainfall on Power in the Amazon and Xingu Basins
Efeitos das chuvas na geração de energia nas Bacias do Amazonas e do Xingu

As florestas tropicais possuem um papel mais crítico do que se pensava para a geração de chuvas. Por sua vez, essas chuvas determinam o fluxo de rios, os quais finalmente influenciam a produção de energia em áreas tropicais. Ou seja, se o desmatamento continuar a crescer na Amazônia, as projeções de energia para uma das maiores barragens do mundo, a Belo Monte no Brasil, devem diminuir em um terço.

A conservação de florestas tropicais na Bacia do Rio Amazonas devem aumentar a quantidade de eletricidade que os projetos hidrelétricos na região podem produzir. Um estudo realizado por cientistas do Instituto Inovação da Terra mostra que as florestas tropicais são mais críticas do que se pensava na geração da precipitação que determina o fluxo de rios, e, finalmente, a produção de energia, em áreas tropicais. Nossa pesquisa mostra que se o desmatamento continuar a aumentar na Amazônia, projeções de energia para uma das maiores barragens do mundo, a Belo Monte no Brasil, deve sofrer um declínio de um terço. Modelamos a produção de energia com diferentes níveis de desmatamento na Bacia do Rio Amazonas. Os cenários com mais florestas resultaram em maior produção de energia. Com os níveis atuais de desmatamento na região, os resultados mostram que a precipitação é entre 6-7% abaixo do que seria com uma cobertura florestal total. E com a perda de 40% das florestas tropicais que alguns preveem ocorrerá em 2050, a precipitação seria 11-15% menor, resultando em 35-40% menos energia.

Assim, os grandes avanços alcançados pelo Brasil para reduzir o desmatamento na Amazônia estão, na verdade, ajudando a garantir o abastecimento de energia do país.

A potencial perda da capacidade de geração elétrica devido ao desmatamento regional poderia prejudicar o esforço brasileiro para cobrir a lacuna existente de energia elétrica. Especificamente, o nosso estudo mostra que, se o desmatamento na Amazônia não for controlado, a energia fornecida pela Hidrelétrica de Belo Monte no Brasil – projetada para ser o terceiro maior complexo hidrelétrico do mundo – cairá 30% abaixo das estimativas atuais da indústria. Este montante equivale ao consumo de energia de quatro milhões de brasileiros. Estes resultados são, portanto, fundamentais para o planejamento energético de longo prazo. Nas regiões tropicais, bilhões de dólares estão sendo investidos em novos projetos hidrelétricos. Nossa pesquisa mostra que quanto mais florestas tropicais são mantidas em pé, mais água permanecerá nos rios e mais eletricidade será gerada pelas usinas.