2020
ago

Dan Nepstad do EII fala sobre a ‘economia para salvar a Amazônia’

Agosto marca o início da temporada de incêndios na Amazônia, e com o desmatamento no Brasil aumentando, há uma ansiedade crescente de que 2020 pode ser mais devastador do que 2019, quando o mundo olhou horrorizado a medida em que torres de fumaça envolviam a maior floresta tropical do mundo. Mas por trás da fumaça e além das manchetes estão forças econômicas poderosas que, de acordo com o diretor executivo do EII, Dan Nepstad, são a chave para o destino da Amazônia.

Nepstad falou com Steve Levitt, apresentador do popular podcast Freakonomics, sobre como incentivos econômicos e mudanças podem ajudar a preservar a floresta amazônica e assim ajudar o mundo a evitar mudanças climáticas catastróficas.

Citando um aumento de 30% no desmatamento em todo o Brasil em relação ao ano anterior, Nepstad diz que a perda de floresta para atividades como pastagem de gado – um dos principais motores do desmatamento no Brasil e Colômbia, e em menor extensão no Peru – é um “ótimo exemplo de uma falha de mercado. ”

Ele observa: “Converter uma floresta de 300 toneladas que teria 200 espécies de árvores e toneladas de outras espécies desconhecidas para um pasto de gado fraco que lhe dará talvez 30, 50 quilos de carne por ano, é uma das piores compensações … no mundo.”

Mudar esses incentivos para aumentar o valor das florestas em pé – expandindo o acesso ao mercado para produtos florestais, melhorando a pesca local e alavancando o crescente mercado internacional de carbono – tem sido o foco do Earth Innovation Institute.

A chave, diz Nepstad, é ter uma “proposta financeira real sobre a mesa” que compense os agricultores e proprietários de terras pela renda que eles perdem mantendo as florestas em pé.

Entre 2005 e 2012, o Brasil reduziu as taxas de desmatamento em até 80%, em grande parte por meio de medidas de fiscalização que penalizavam fortemente os infratores, em alguns casos restringindo o acesso ao crédito agrícola para municípios inteiros que não conseguiram resolver o problema. Apesar de seu sucesso passado, o Brasil foi compensado por apenas 4% das reduções de emissões alcançadas pela desaceleração do desmatamento na floresta amazônica.

O aumento recente do desmatamento ocorre ao mesmo tempo em que a pandemia de Coronavírus continua a devastar regiões do Brasil, inclusive na Amazônia que possui algumas das maiores taxas de pobreza do país. A pandemia tem sido culpada pelo aumento da perda de florestas, por trazer consigo um aumento na atividade ilegal à medida que a fiscalização diminui.

A neblina que normalmente ocorre durante a estação de incêndio entre agosto / setembro, cobrindo as regiões da Amazônia, representa uma ameaça adicional que pode agravar as doenças respiratórias provocadas pelo vírus.

A floresta amazônica abrange um terço da América do Sul, abriga cerca de 30 milhões de pessoas e detém aproximadamente 10 anos de emissões globais de dióxido de carbono. Sua perda praticamente impossibilitaria o mundo de evitar as piores consequências das mudanças climáticas.

Nepstad passou mais de três décadas pesquisando a floresta amazônica e foi apelidado de “ecologista matador de árvores” por experiências anteriores que literalmente testaram os limites de sobrevivência das árvores da Amazônia . Ele participou do programa junto com Michael Greenstone, ex-economista-chefe do Conselho de Assessores Econômicos do governo Obama, e Gretchen Daily, professora de biologia na Universidade de Stanford e fundadora do Projeto Natural Capital.

Você pode ler uma transcrição ou ouvir o show completo aqui.

You are donating to : Greennature Foundation

How much would you like to donate?
$10 $20 $30
Would you like to make regular donations? I would like to make donation(s)
How many times would you like this to recur? (including this payment) *
Name *
Last Name *
Email *
Phone
Address
Additional Note
paypalstripe
Loading...